Benfica e Champions League



Ora bem, vamos dar conteudo ao ultimo post e justificar, primeiro, o quadrozito sobre o Benfica do Jesus na Champions. Tenho na minha ideia que, numa imagem global, o Benfica de Jesus na Europa é um Benfica fraco : é a minha opinião cujos argumentos apresentei noutras alturas e que posso reduzir ao seguinte. Na Champions é um fracasso quase completo, enquanto que as boas campanhas na Liga Europa estão sempre condicionadas pelo falhanço na Champions. Para mim, este sabor amargo apenas podia desaparecer se tais campanhas com que todos vibrámos tivessem resultado em titulos. Não foi o caso, resultando assim numa mão cheia de nada... nem prestigio como muitos defendem, senão o prestigio do "eterno secundon". Quando digo isto, muitos respondem "pois, mas estamos em 5° na UEFA", como se esta frase mágica chegasse por si mesma a dizer o que quer que seja… não chega, tal como não chega apresentar um quadro comparando os resultados do Benfica de Jesus na Champions e os resultados antes de Jesus : trata-se de uma caricatura, como toda a caricatura, ou se adere a ela, ou acreditamos nela ou não. Debater é impossivel.



Dito isto, relativizemos então os numeros do Jesus na Champions :

     A competição mudou muito nos ultimos 20 anos. Não que os jogos contra os grandes europeus sejam mais numerosos que antigamente (antigamente, o Benfica jogava invariavelmente contra um grande todos os anos e mesmo assim, até 94, tinha perdido por apenas três vezes em casa para a TCCE), mas já não existem aquelas duas primeiras eliminatorias onde, na maioria dos casos, era bater em ceguinhos (Jesus deveria ter nascido mais cedo). Apenas excepcionalmente existe uma real diferença de valor nas equipas que constituem os grupos, havendo grande equilibrio, senão para o primeiro lugar do grupo, pelo menos para o segundo. O que, contudo, não justifica as más campanhas do Benfica em casa, onde ganha apenas um em cada dois jogos. Nesta competição, ganhar os jogos em casa é essencial para a qualificação. Se tal não for possivel, então pelo menos não perder. O Benfica de Jesus tem tido péssimas exibições fora de casa (apenas 3 vitorias, se não me engano), contudo as eliminações devem-se sobretudo aos pontos perdidos em casa. O Benfica teve azar, aqui e ali, nas eliminações, mas quando o azar é repetido, transforma-se em incompetência.

    Com adversários do mesmo nivel, o Benfica tem dificuldades em impôr-se, tão simples quanto isto. E quando vemos os grupos nos quais o Benfica não conseguiu qualificar-se para os oitavos, vemos igualmente que foi eliminado por equipas, a priori, de valor mais baixo. Schalke 04 e Lyon eram superiores ao Benfica ? Celtic e Olympiakos ? E mesmo esta época. Vimos os jogos contra o Zenit na Russia, os dois contra o Monaco, vimos o Leverkusen na Luz. Apesar de o Benfica não apresentar a mesma qualidade do ano passado, era assim tão complicado qualificarmo-nos? O Benfica é assim tão fraco quanto isso?


     Deixo a questão táctica do Jesus mais là para a frente. Por agora digo apenas que estes maus resultados repetidos do Benfica na Champions são a consequência das más preparações de época. E aqui a responsabilidade não é de Jesus ou apenas é em pequena parte. Este ano então foi de um amadorismo gritante. Sabiamos, desde Janeiro, que iamos perder um atacante bastante importante e Cardozo já há alguns meses que era carta posta de parte. Quando é que o real substituto foi contratado ? Quando jà não podia ser inscrito na Champions. Continuamos com o problema do lateral-esquerdo e a Direcção não soube precaver um nucleo duro que oferecesse estabilidade ao Jesus para preparar a época. Resultado ? 

     Como diversas vezes nos ultimos anos, a verdadeira pré-época fazêmo-la com a época a decorrer. Isso justifica os inicios irregulares no Campeonato (nos ultimos anos passamos de 80% dos pontos obtidos no primeiro terço da época para 65% ou ainda 75%). Estes inicios irregulares são o resultados do mau futebol praticado, consequência logica da falta de automatismos dos jogadores. Esta época, como todos os anos, começámos com um muito mau futebol, mas as vitorias foram aparecendo. Ora na Champions isso é mais dificil de acontecer. Não são Moreirenses e Gil Vicentes com quem jogamos, equipas em relação às quais a diferença de qualidade dos jogadores é tão grande que, mesmo jogando mal, as hipoteses de ganhar são muitas. Na Champions jogamos com equipas do mesmo nivel ou então proximas. Estar em forma é condição essencial para ganhar.




   Por este motivo relativizo a questão táctica. Ok, não gosto da táctica do Jesus. Mas isto sou eu, um zé ninguém que, ao dizer isto, falo em termos de gosto e não em termos de conhecimento que, este, está do lado do Jesus. No entanto, constato uma coisa. A táctica do Jesus resulta quando a equipa está em forma. E não apenas resulta como é das equipas que melhor futebol joga na Europa. As performances do Benfica europeu na Primavera são assinalaveis contra adversários, alguns, melhores ainda do que aqueles que seis meses antes… eliminaram o Benfica da Champions ! Agora, também constato que, sabendo que nenhuma equipa consegue manter o mesmo nivel exibicional ao longo da época, existem tácticas que dão uma maior segurança. Mas, se aquele futebol que vemos, normalmente, a partir de Dezembro precisa destes meses de adaptação, a questão essencial não estará antes em dar ao Jesus uma segurança minima sobre o plantel que terá à sua disposição de modo a poder fazer a sua pré-época durante… a pré-época ?! E, não !, não aceito o argumento do mercado de transferências. Este existe para todos e contudo apenas no Benfica vejo a histeria e a total incapacidade em lidar com este periodo que é sempre instavel, mas que não tem de ser caotico.

     Muita coisa fica ainda por desenvolver. Fico-me por aqui, manifestando apenas uma ultima ideia. A historia do Benfica, a gloriosa historia do Benfica fez-se com a hegemonia nacional e essa deve ser sempre procurada. Contudo nunca deve servir de argumento para negligenciar a mais importante competição de clubes no mundo pois foi nessa prova que o Benfica ganhou nome internacional, que ganhou um carisma que fez um jornalista francês falecido recentemente dizer que, pelo que contribuiu para o futebol mundial, o Benfica deveria ter pelo menos 4 Taças dos Campeões, tantas quantos um… Ajax… E que as teria certamente e mesmo mais se as substituições fossem permitidas em 1963, se a final de 1965 contra o Inter não tivesse sido jogada em San Siro, se a final de 1968 contra o Man United não fosse no Wembley e se Eusébio não tivesse falhado aquilo que nunca falhava… se… se… e mais ses… Muitos ses tem a historia do Benfica, demasiados. Respeitemos a historia europeia do Benfica, não pensemos que a Champions é um detalhe e espero que a Direcção mude de atitude e programe as épocas pensando que a qualificação do Benfica para os Oitavos de Final da Champions é a prioridade dos meses de Outubro e de Novembro, meses de competição intensa incompativeis com pré-épocas em atraso.